Confira as Novidades do Perfil de Patrocinadores

O ano de 2021 foi o mais impactante durante o período de existência da lei Rouanet – tanto em números como em novidades, incluindo novos posicionamentos, retorno de companhias que há tempos não usavam esse mecanismo, chegada de outras que o utilizaram pela primeira vez e diversos recordes para anunciar.

Estamos finalizando os dados para mostrar porque 2021 foi um ano diferente no campo do patrocínio à cultura e que será publicado proximamente. Mas enquanto isso criamos uma seleção-aperitivo mostrando 15 exemplos de empresas que foram agregadas ao nosso Perfil de Patrocinadores, incluindo algumas que utilizaram a lei Rouanet pela primeira vez e outras que deram grande impulso aos números de investimento que costumavam utilizar.

Todas essas informações estão detalhadas em nosso Perfil de Patrocinadores, que foi criado para mostrar o que cada uma das mais de mil empresas cadastradas faz em termos de patrocínio à cultura, incluindo seus segmentos preferidos, projetos apoiados, valores aplicados e mais campo específico para mostrar seu posicionamento social, quais leis utiliza, além de outras informações importantes para entender sua missão e desejos.

Aqui não se usa robô – cada ficha de empresa é fruto de pesquisa feita em várias fontes.

Confira algumas novidades que chegaram ao Perfil:

ESTREANTES

NU BANK

Pode-se dizer que o Nu Bank chegou chegando em seu primeiro ano como usuário dos benefícios da lei Rouanet, ocupando o posto 16 na lista de maiores patrocinadores de 2021.

Foram R$ 13 milhões aplicados em diversas entidades do 3º Setor, peça teatral infantil, workshops culturais e exposição.

DUAL DUARTE

Importante empresa do agronegócio que aderiu ao incentivo em 2021 apoiando ações em mais de um Estado.

Maiores verbas foram para uma orquestra que atende gratuitamente crianças, adolescentes e jovens de baixa renda em Recife, e preservação e restauro do Seminário de Olinda (PE).

Com verbas menores patrocinou eventos de oficinas de dança, teatro de bonecos, exposição fotográfica, enciclopédia sonora e Paixão de Cristo.

Embora sede seja no interior de Pernambuco, possui duas unidades em Mato Grosso onde desenvolve a maior parte de suas atividades.

ABSOLUTO PARTNERS

Esse Fundo foi criado por ex sócios do BTG Pactual e chegou em 2021 com interesse em planos anuais de Organizações Sociais, projeto em periferias e oficinas para público infanto-juvenil.

Também se habilitou para patrocinar projetos com execução em 2022 utilizando a lei carioca de incentivo. Foi autorizada a utilizar R$ 500 mil para isso.

INPASA

Outra empresa ligada ao agroindustrial, tendo o milho como matéria básica. Tem Política de Doações e Patrocínios.

Chegou em 2021 utilizando três companhias do grupo para patrocinar projetos com lei federal de incentivo e mostrou interesse em música caipira, orquestra em Mato Grosso, museu, mostra de teatro e Associação Cultural.

Aplicação passou de R$ 1 milhão.

LAPONIA SUDESTE

É uma rede de concessionárias que não faz outra coisa a não ser vender caminhões da marca Volvo. Tem sede em Itu, mas tem outras sete unidades no interior do Estado de São Paulo.

Foi utilizada pela primeira vez para impulsionar planos anuais de museus e oficinas de capoeira.

Os patrocínios da Laponia Sudeste acompanharam escolhas do grupo Volvo, mas pelo volume de dinheiro aplicado fica claro que recurso financeiro dessa rede é robusto para apoiar projetos da região também.

MINERAÇÃO AURIZONA

Pertence à canadense Equinox, que fez uso da Aurizona para, pela primeira vez, apoiar projetos com lei de incentivo.

Escolhidos beneficiaram produção e doação de acervos com materiais lúdicos para crianças e adolescentes e um livro sobre contos brasileiros.

ES GÁS

Essa companhia que distribui gás no Estado do Espírito Santo ainda não havia utilizado lei federal de incentivo.

Chegou com interesse em teatro incluindo mostras, peças e oficinas para formação de artistas com deficiência. Houve complemento de verba para projeto de conteúdo audiovisual.

ZUP INNOVATION

Essa empresa que desenvolve tecnologia em computação aderiu ao patrocínio em 2021 com interesse no empreendedorismo feminino. Foi o único apoio e aplicou mais de R$ 500 mil nele.

AGREGADAS

Muitas outras empresas foram utilizadas pela primeira vez para apoiar projetos em 2021, mas quase sempre ligadas a um grupo que já fazia uso de lei de incentivo. Essas empresas e suas aplicações foram agregadas à ficha de cada grupo no Perfil.

QUEM REAPARECEU

Há também uma lista de empresas que há muito tempo não patrocinavam cultura e voltaram a fazê-lo em 2021, assim como outras que utilizavam volumes baixos para apoiar projetos e no ano passado deram um salto grande no patrocínio. Alguns exemplos são:

SHELL

Depois de muito tempo voltou em 2018 a utilizar lei federal de incentivo ao firmar parceria com o Museu do Amanhã; depois sumiu de novo.

Mas seu retorno em 2021 foi de grande impacto. Foram mais de R$ 13 milhões aplicados em projetos de Audiovisual, Humanidades (com ações em periferias) e Artes Visuais, além de grande aplicação em reforma de museu.

Mas para isso houve motivo e ele foi a criação de um programa global chamado Powering Progress, cujo objetivo é reforçar o compromisso da companhia com a sociedade. Explicamos isso direitinho no Perfil.

VIBRA ENERGIA

Ex Petrobras Distribuidora, quando assumiu o controle dessa empresa acabou com o excelente programa de patrocínio ao teatro brasileiro que vigorou durante muitos anos. Passou 2020 sem apoiar ninguém na área de cultura utilizando esse mecanismo, mas em 2021 reapareceu,porém destinando maior parte da verba para um evento-franquia que adquiriu no ano anterior. O pouco que sobrou endereçou para um projeto de oficinas de arte-educação.

MINERITA MINÉRIO

Levou sete anos para voltar a patrocinar algum projeto cultural com a lei Rouanet e chegou com interesses diferentes do que gostava antes. Impulsionou dois livros e recuperação de fachada da Santa Casa de Belo Horizonte. Aplicação total em 2021 ultrapassou R$ 3 milhões.

TAURUS

A nova política governamental sobre posse de armas fez bem à saúde financeira da empresa. Essa fabricante de revólveres, pistolas, submetralhadoras, fuzis, carabinas, rifles e espingardas aderiu fortemente ao patrocínio incentivado em 2021 após 12 anos de ausência, quando a verba aplicada foi de somente R$ 15 mil. No ano passado foram R$ 2,6 milhões.

E seu interesse principal esteve em ações ligadas à comunidade judaica.

FERTILIZANTES HERINGER

Desde 2012 essa empresa não utilizava lei federal de incentivo. Em 2021, mesmo em recuperação judicial, separou R$ 2,2 milhões para patrocinar projetos que envolveram música, principalmente em musical que levou a metade da verba. Outras ações apoiadas tiveram conotação sociocultural.

VESTAS DO BRASIL

Nem tem site no Brasil, mas seu negócio é aproveitar o vento para implantar sua tecnologia de energia eólica e para isso investe muito no País. Empresa dinamarquesa, começou a utilizar lei de incentivo em 2020 com verba considerada pequena pelo tamanho da companhia. Bem diferente do que foi em 2021, quando mais de R$ 1,5 milhão foi aplicado em projetos de incentivo à leitura e de música, envolvendo capacitação e treinamento de pessoal.

Contribuiu ainda com importante escola de dança de Fortaleza, que trabalha com jovens e adolescentes da periferia.

————————————————————————————————————————————————————————————————————————

Muitas outras novidades foram agregadas ao Perfil de Patrocinadores.

O Perfil de Patrocinadores é uma ferramenta disponível para os assinantes de VALOR CULTURAL, que podem usufruir ainda de conteúdos exclusivos publicados no site.

Quer saber mais? Clique aqui.

Quer se tornar um construtor de Valor Cultural? Clique aqui.

Shopping cart close
Pular para o conteúdo